O Grupo Musical de Fiães é uma Colectividade que nasceu á 78 anos e que hoje, além de um Coro e de uma Orquestra de adultos, tem também uma Escola de Música com cerca de 80 alunos nos mais diversos instrumentos, um Coro infantil, um Coro Juvenil e uma Orquestra infantil.

A nossa maior preocupação sempre foi a qualidade dos serviços que prestamos, por isso tentamos sempre ter pessoas qualificadas no ensino da música e na Direcção Artística dos nossos Coros e Orquestras.

Em especial ao sábado, temos a Secretaria da Associação a funcionar, com um atendimento profissional e sempre simpático. Estamos continuamente a melhorar os nossos serviços, como podemos comprovar através do número crescente de alunos satisfeitos. Sem qualquer compromisso, sinta-se livre para entrar em contacto connosco.

Os Ensaios do Coro adulto são ás segundas feiras, das 21:00 ás 23:00 horas. Aparece para assistir ou mesmo para fazer parte dele.

A Escola de Música, funciona todos os dias da semana, no entanto é ao sábado que esta tem mais movimento e tem a secretaria aberta. Podem também aqui aparecer para assistirem ao ambiente saudável que as crianças vivem, a alegria que de todos irradia e que só quem vive da música e para a música conhece. Não existe limite de idade para se inscrever na nossa Escola.

Está convidado a visitar-nos e a fazer parte da nossa família em: Rua do Grupo Musical, Fiães.

Grupo Musical de Fiães fundado em 1922 

 

No ano de 1922 um pequeno grupo de estudantes e outros formaram um conjunto musical ao qual deram o nome de “Grupo Musical de Fiães”. Pelo que se sabe não teve vida longa, mas tudo leva a crer, que a sua existência, por mais curta que tenha sido, serviu como embrião para dez anos depois nascer o atual Grupo Musical de Fiães. 

 

Data de 2 de janeiro de 1922 os estatutos do Grupo Musical de Fiães.  

Tinha como fins: promover a maior solidariedade entre os associados, concorrendo para a sua educação por meio da música, organizando assim uma tuna, um corpo cénico, excursões, etc. 

Tinha três categorias de sócios: Honorários, beneméritos e efetivos. 

Honorários: todos aqueles que a Assembleia Geral julgar merecedores dessa honra. 

Beneméritos: aqueles que fomentem o engrandecimento deste grupo. Quota era de 1$00 

Efetivos: aqueles que fazem parte da tuna ou corpo cénico. $50 

 

Grupo Musical de Fiães fundado em 1933 

 

Estatuto de Associação de Utilidade Pública desde 20 de setembro de 1987 

Em 1932, um grupo de amigos interessados pela música, deslocaram-se a Oleiros, para assistir ao tradicional concerto apresentado por Tunas da Região, sempre muito apreciado nas festas naquela freguesia. 

Já antes havia intensão de formar um grupo musical em Fiães, e esta deslocação serviu para Joaquim Costa falar com o Maestro Joaquim Teixeira, que se encontrava ali, como regente de uma das Tunas presentes, que apoiou a ideia e marcou novo encontro de entendimento. 

Joaquim Costa deslocou-se (a pé) a Grijó, onde convidou o Sr. Teixeira a assumir a direção artística do futuro G.M.F., que aceitou mediante o pagamento de 20$00 por cada ensaio que realizasse, marcando de seguida uma reunião alargada, que teve lugar na mercearia “Lusitânia” (que existia no lugar do souto). 

Na entrevista de Joaquim Costa ao jornal “O Activo”, publicada em fevereiro de 1983, ele admitiu ser considerado o primeiro encontro, o embrião da “Tuna de Fiães”. 

Os nomes dos fundadores diferem dos do jornal “O Primeiro de janeiro”, de 22 de janeiro de 1984, numa reportagem alusiva às “Bodas de Ouro”, mencionados e dizia o seguinte: (…) ”Dos sócios fundadores – José Duarte Ribeiro, Elísio Nunes, Leonel Santos, Augusto Fontes, Elísio Castro, Reinaldo Pinheiro, Joaquim Costa e José Amorim (…)” 

No dia 21 de janeiro de 1933, oito elementos compareceram ao primeiro ensaio e por isso foram considerados fundadores do Grupo Musical de Fiães que durante muitos anos, era mais conhecido por “Tuna de Fiães”. 

A comparticipação de cada um dos que compareceram à primeira lição, foi de 2$50. 

- Elísio Pinto Oliveira e Sá, embora fazendo parte deste grupo e estar presente neste primeiro ensaio, não foi considerado fundador, só porque na ocasião não contribuiu com a importância obrigatória de 2$50. 

- Outros nomes foram apontados como participantes nesse primeiro ensaio da coletividade, mas não foram encontradas provas a confirmar ou desmentir tais rumores. 

- Pelos vários depoimentos publicados ao longo dos tempos, deduz-se que o Sr. Joaquim da Costa e Silva, foi o grande impulsionador na fundação do G.M.F. 

- A coletividade teve a sua primeira sede instalada numa sala do rés-do-chão da residência do Sr. José Duarte Ribeiro, no lugar do Souto. A segunda sede, esteve localizada no primeiro andar edifico situado na Rua Principal, defronte da Rua Dr. Mário de Castro, no lugar do Souto, onde se manteve cerca de meio século, até à construção do edifício no local da Barroca, que para além de sede, tem salas onde são administradas aos alunos, aulas de música. 

- Os primeiros estatutos do G.M.F., segundo fontes, foram copiados pelos estatutos do Grupo Musical de Fiães de 1922. 

O Grupo Musical de Fiães atuou pela primeira vez em público, por volta de 1935, na festa popular realizada em honra de S. Pedro, no lugar do Souto, onde tocaram as peças: “O Fanfarrão”, o “O Careca”, a “Rosinha dos Limões” e um trecho de “Suite Portuguesa”. 

- O Maestro Joaquim Teixeira, esteve desde o início e durante mais de 40 anos, como diretor artístico do GMF, terminando as suas funções quando por motivos de saúde, deixou de exercer a sua exemplar atividade, ainda hoje lembrada como modelo da importante “obra” realizada a favor da música e destaque pela sua qualidade na forma de gerir e contornar todos os problemas, que se lhe depararam ao longo do tempo. 

- Para além da Música, o GMF através da secção de teatro amador, que manteve na década dos anos quarenta, conquistou grandes êxitos, na apresentação de peças teatrais.   

CONTACTOS E LOCALIZAÇÃO

Rua do Grupo Musical Fiães
4505-724 Fiães

t. 227 446 838